A Crônica: Pergunta padrão de jornalista – Andreia Donadon Leal

Escritora Andreia Donadon Leal

 

Pergunta padrão de jornalista

Andreia Donadon Leal

 

MARIANA [ ABN NEWS ] — Não, eu não tenho filhos. Não, eu não tenho nenhum problema em responder esta pergunta. Não, eu não sou traumatizada. Não, eu não sou revoltada. Sim, eu amo crianças. Sim, eu fui criada ouvindo que mulher casada deve ter filhos. Sim, eu pensei que teria filhos…

E assim comecei a responder as perguntas do jornalista. Não era a primeira vez que falaria sobre profissão e o assunto iria se desvirtuar para outras bandas. Não, não tenho impaciência em responder curiosidades de um entrevistador.

“Seu nome é Andreia Donadon Leal. Como escreve Donadon?”

“Normal, meu caro. D-O-N-A-D-O-N. N de Navio.”

“Ok. Casada! Quantos filhos?”

“Sim, casada. Eu não tenho filhos. ”

“E por que não?”

“Precisa de motivo para não ter?”

“É que a senhora é casada… ”

“E daí?”

“Daí, pensei, geralmente as mulheres se casam pra ter filhos… ”

“Sério? Pensei que se casavam por amor!”

“Também por amor, mas o matrimônio gera filhos, não?”

“Pensei que o casamento era para unir duas pessoas que desejam compartilhar suas vidas por tempo indeterminado. ”

“Isto também, mas eu fiz esta pergunta sobre o motivo de não ter filhos é por que é praxe, sabe?
A gente sempre pergunta, se não se importa… ”

“Não há problema algum, rapaz, em lhe responder esta pergunta. Só discordo do seu ponto de vista de que todo casal se une para ter filhos. Isto faz parte da convenção, do discurso religioso, desde que me entendo por gente. A ideia é esta mesmo: casou, gerou filhos para perpetuar a espécie. Mas nem todo casal pode gerar filhos… ”

“Ah! Eu sei, mas aí, tem a adoção!”

“Sim, tem a adoção, para o casal que almeja ter filhos, pelo simples fato de querer ter, e não por que é politicamente recomendável, ou faz parte da norma da sociedade. ”

“Entendi. Você gosta de fugir da norma?”

“Eu? Ledo engano. Não gosto nem desgosto. Sigo a liberdade de meu pensamento. ”

“E o que tem a liberdade?”

“Você escolheu ser jornalista, por obrigação? Acho que não! Tenho certeza de que está aqui por dever de ofício, porque deve cumprir suas funções na empresa a que presta serviços. Mas está aqui forçado, desinteressado nas perguntas e respostas de sua entrevista? Acho que está aqui livremente. Eu sei que deve ser convenção perguntar qual o motivo de um artista não ter filhos. Mas o que vai acontecer com sua matéria, se você priorizar a informação de que a artista não tem filho? Seu destaque de pauta terá a seguinte chamada padrão: por que a artista abriu mão da maternidade? A arte perderá destaque na reportagem, para dar lugar ao motivo pelo qual a artista não teve filhos, com o objetivo de chamar a atenção do espectador. ”

“Compreendi, mas… ”

“Você escolheu jornalismo por que ama a profissão ou por que não tinha outro curso na Universidade?”

“Não, de forma alguma; amo o jornalismo! A profissão sempre me fascinou. Gosto de entrevistar, sentar com as pessoas, conversar, saber dos fatos, das notícias!”

“Mas pra ser jornalista, você acha que deve copiar modelos bem-sucedidos? Igual à forma de entrevistar daquela âncora de programa? Igual ao entrevistador polêmico? Igual ao jornalista do jornal televisivo?”

“Acabo me espelhando neles, sim. Eles têm trajetória de sucesso. Então, assisto ou leio os noticiários diversas vezes!”

“Tá bom. Mas cada um tem uma forma peculiar, compreende? Algo que vem de dentro. Eles cumprem suas funções, mas de forma diferenciada. A autenticidade é que os leva a exercer a profissão, de forma única e destacada. Eles saem dos figurinos pré-estabelecidos ou encaixotados. ”

“Entendi, mas voltando ao motivo de não ter filhos… ”

“Não tenho problema em responder esta pergunta! Mas queria que você soubesse que há muitos casais que querem ter filhos, há outros que querem adotar, e há poucos que não querem ter filhos. Talvez por isto você estranhe a resposta sem firulas: por que simplesmente não querem! Não há explicação alargada para os que se casaram e não querem ter filhos. ”

“Entendi, mas mesmo assim, desculpe a insistência; qual o motivo específico de você não querer ter filhos, então?”

“Lembra quando eu lhe expliquei que cada um tem uma forma de cumprir suas funções e missões na sociedade, feito os jornalistas que se diferenciam dos demais? Então, eles são o que são e pronto. Eles saem das formas pré-estabelecidas, criando seus caminhos. É só isto.

“Entendi… Então você escolheu não ter filhos? Só isto?”

“Só isto, meu rapaz, veio de dentro, entendeu?”

 

Andreia Aparecida Silva Donadon Leal – Deia Leal é Mestre em Letras – Estudos Literários pela UFV. Presidente da ALACIB. Diretora de Projetos Culturais da Aldrava Letras e Artes.